Inusitados e incríveis: Mulher bebê e parto com prazer

Todo mundo já falou pelo menos uma vez na vida: “Nada mais me choca” certo?

Ainda mais quem circula pela net e todo dia dá de cara com coisas bizarras, incomuns e afins.

Mas nesses últimos dias, dois casos me chamaram muito a atenção.

1. Realmente desconhecia a possibilidade de, por disfunções endocrinológicas, uma pessoa adulta cronologicamente, poder aparentar muito menos idade. Não estou comentado “parecer alguns anos mais novo ou mais velho” mas sim, ter 28 anos de idade e ter a aparência e intelecto de um bebê de 8 meses de idade. Parece incrível? Um caso incomum distante? Não, essa é a realidade de Maria Audenete que vive no interior do Ceará e que se tivesse sido diagnosticada precocemente e submetida ao tratamento correto, teria se desenvolvido normalmente.

2.  Meninas e meninos qual a primeira coisa que vocês imaginam de um parto em termos físicos?

Dor? Anestésicos? Músculos e tecidos indo aos extremos provocando essas sensações?

Pois é, um documentário veio colocar a possibilidade do parto ser prazeroso, não apenas psicologicamente, mas fisicamente mesmo. Debra Pascali-Bonaro, diretora do documentário “Orgasmic Birth” resolveu expor diversos casos onde o título do filme ocorreu e apresenta como uma possibilidade para todas as mulheres. Entre depoimentos de médicos e especialistas, mulheres parturientes em êxtase chamam a atenção. O documentário foi inspirado num movimento informal onde mães que viveram a experiência compartilham essas informações em fóruns e blogs.

You can leave a response, or trackback from your own site.

2 Responses to “Inusitados e incríveis: Mulher bebê e parto com prazer”

  1. Compulsivo disse:

    O segundo caso (orgasmo no parto) é praticamente um incesto!

    []‘s
    Compulsivo

  2. Karen disse:

    Que coisa bizarra!
    Parto é a coisa mais assustadora. Quem for parir, escolha cesária que é o melhor! hahaha
    Eu posso dizer pq tenho um filho de 4 meses. Mas digo…parto é nojento e não tem como sentir orgasmo. Que isso! Absurdo.

Leave a Reply